Ir para o conteúdo

Prefeitura de Votuporanga e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Votuporanga
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Flickr
Rede Social Instagram
Rede Social Tik Tok
Rede Social Twitter
Rede Social WhatsApp
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
JUL
26
26 JUL 2022
SERVIÇOS URBANOS
74 visualizações
Consumidora é indenizada por defeito em lavadora de roupas
AVALIAR
enviar para um amigo
receba notícias

Consumidora é indenizada por defeito em lavadora de roupas

Ela fez reclamação no Procon de Votuporanga, que resultou na condenação judicial da fabricante e da loja revendedora

Uma consumidora que procurou o Procon de Votuporanga para reclamar de um fabricante de lavadora de roupas e da loja revendedora do produto conseguiu, na Justiça, a devolução da quantia paga e uma indenização de R$ 2 mil pelos transtornos sofridos em razão do problema no funcionamento do equipamento. A sentença condenou o fabricante e a loja (solidariamente) a restituírem o valor de R$ 2.793,16, além de R$ 2 mil por danos morais sofridos pela cliente.

Ela comprou a máquina de lavar em uma loja de rede, em 2021, por R$2.499,90. Durante o uso, a máquina passou a fazer um barulho anormal, impedindo a utilização, por isso, a consumidora buscou administrativamente o conserto. Foram emitidas duas ordens de serviço. Técnicos foram na casa da autora três vezes. Em todas, constataram defeito na bomba de saída de água. O problema não foi solucionado e ela recorreu ao Judiciário.

Ao analisar o caso, o juiz considerou que um problema tão simples poderia ter tido resolução extrajudicial célere, bastando a troca do produto por outro novo e em perfeitas condições de uso. “Mesmo com a autora se dirigindo ao Procon, a ré preferiu oferecer ‘nova visita técnica’, mesmo decorrido o prazo de 30 dias previsto legalmente para o conserto do vício”, disse o julgador.

“A atuação do Procon tenta, justamente, a solução célere, sem a necessidade de judicialização das demandas. É uma oportunidade do fornecedor cumprir com suas obrigações de bem atender o consumidor, respeitando seus direitos e o preceituado no Código de Defesa do Consumidor”, disse o diretor do Procon, Leandro Vinicius da Conceição. Ele também destaca que o processo administrativo iniciado no Procon pode ser utilizado no judiciário.

Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia