Ir para o conteúdo

Prefeitura de Votuporanga e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Votuporanga
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Flickr
Rede Social Instagram
Rede Social Tik Tok
Rede Social Twitter
Rede Social WhatsApp
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
FEV
07
07 FEV 2024
SAÚDE
528 visualizações
Morcego com raiva: Secretaria da Saúde alerta para importância da vacinação antirrábica
AVALIAR
enviar para um amigo
receba notícias
Morcego com raiva: Secretaria da Saúde alerta para importância da vacinação antirrábica
 
Em 2023, a Vigilância Ambiental vacinou pouco mais de 1.400 animais, número considerado bem abaixo do esperado
 
Após a confirmação de um morcego encontrado morto contaminado com o vírus da raiva no município, a Secretaria da Saúde de Votuporanga alerta para a importância de manter a vacinação antirrábica em dia para cães e gatos. A procura vem sendo baixa, ano a ano, e isso deixa as autoridades sanitárias em estado de atenção, porque a vacina é a única forma de prevenir o contágio dos animais e, consequentemente, dos seres humanos.
 
Em 2023, a Vigilância Ambiental vacinou pouco mais de 1.400 animais, número considerado bem abaixo do esperado. "Sabemos que a principal forma de prevenção é a vacinação antirrábica e, infelizmente, nossa cobertura não está satisfatória. Precisamos que os tutores entendam a importância de manter seus animais vacinados para proteção da saúde humana”, disse a secretária da Saúde, Ivonete Félix.
 
O morcego foi encontrado em uma casa, no bairro San Remo, no dia 18 de dezembro. Como procedimento padrão, a Vigilância Ambiental enviou o animal para análise do Instituto Pasteur e recebeu a confirmação de que ele estava infectado com a doença. Até o momento, não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença em cães, gatos ou humanos.
 
Onde vacinar
A vacinação antirrábica para cães e gatos é realizada em caráter permanente no município. Os tutores podem levar seu animal até a Vigilância Ambiental, que fica na Av. Dr. Augusto Aparecido Arroyo Marchi, 4.221 (Jd. de Bortole), de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h. Como tentativa de ampliar a procura pelo imunizante, haverá o Dia D de vacinação no sábado, 17 de fevereiro, em local e horário a ser definido.
 
Podem ser vacinados cães e gatos acima de três meses que estão em boas condições de saúde e que não estejam passando por algum tratamento ou estejam debilitados. As fêmeas não podem estar em período de gestação ou em fase de amamentação. É importante manter a vacina em dia pois é a única forma de prevenção contra a doença, além de ser determinada por lei para todos os tutores de animais.
 
Mais informações sobre a vacinação podem ser obtidas através dos telefones (17) 3406-3175 ou 0800-770-9786.
 
A doença
A raiva é uma doença transmitida dos animais ao homem, e vice-versa, por um vírus mortal tanto para o homem como para o animal. Atinge o sistema nervoso central, levando ao óbito após curta evolução.
 
A transmissão ocorre quando os vírus existentes na saliva do animal infectado penetram no organismo através da pele ou de mucosas, por meio de mordida, arranhão ou lambida.
 
A doença apresenta três ciclos de transmissão: urbano, representado principalmente por cães e gatos; rural, representado por animais de produção como bovinos, equinos, suínos e caprinos; e silvestre, representado por raposas, guaxinins, primatas e, principalmente, morcegos.
 
Sintomas nos animais
Em todos os animais costumam ocorrer os seguintes sintomas: dificuldade para engolir; salivação abundante; mudança de comportamento; mudança de hábitos alimentares; paralisia das patas traseiras.
 
Nos cães, o latido torna-se diferente do normal, parecendo um “uivo rouco”; e os morcegos, com a mudança de hábito, podem ser encontrados durante o dia, em hora e locais não habituais.
 
Sintomas em humanos
Os sintomas em pessoas são característicos, no início, por: transformação de caráter, inquietude, perturbação do sono, sonhos tenebrosos; aparecem alterações na sensibilidade, queimação, formigamento e dor no local da mordida; essas alterações duram de 2 a 4 dias. Posteriormente, instala-se um quadro de alucinações, acompanhado de febre; inicia-se o período de estado da doença, por 2 a 3 dias, com medo de correntes de ar e de água, de intensidade variável. Surgem crises convulsivas periódicas.
 
O que fazer quando agredido por um animal, mesmo se ele estiver vacinado contra a raiva:
– lavar imediatamente o ferimento com água e sabão;
– procurar com urgência o Serviço de Saúde mais próximo;
– não matar o animal, e sim deixá-lo em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva;
– o animal deverá receber água e alimentação normalmente, num local seguro, para que não possa fugir ou atacar outras pessoas ou animais;
– se o animal adoecer, morrer, desaparecer ou mudar de comportamento, acionar a Vigilância Ambiental;
– nunca interromper o tratamento preventivo sem ordens médicas;
- em caso de encontrar morcegos, mesmo que pareçam estar mortos, não entrar em contato em hipótese alguma, apenas acione a Vigilância Ambiental para que faça o devido recolhimento.
 
Seta
Versão do Sistema: 3.4.0 - 05/02/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia