Ir para o conteúdo

Prefeitura de Votuporanga e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura de Votuporanga
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Flickr
Rede Social Instagram
Rede Social Tik Tok
Rede Social Twitter
Rede Social WhatsApp
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
JUL
10
10 JUL 2023
DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
483 visualizações
Rastreabilidade Vegetal: Secretaria de Desenvolvimento Econômico reforça importância dos produtores se adequarem às normas vigentes
AVALIAR
enviar para um amigo
receba notícias
Rastreabilidade Vegetal: Secretaria de Desenvolvimento Econômico reforça importância dos produtores se adequarem às normas vigentes
 
Produtores devem se adequar à lei, implantando a rastreabilidade vegetal para poder atuar juntos às grandes redes varejistas
 
Embora poucos saibam, já está em vigor no Brasil a Rastreabilidade Vegetal para os produtores de citros, alface, repolho, pepino e tomate, entre outros. Para orientar os produtores rurais, a Secretaria do Desenvolvimento Econômico de Votuporanga ressalta a importância deles se adequarem às normas vigentes para atuação junto às grandes redes varejistas.
 
A Instrução Normativa Conjunta (INC) nº 02 introduziu a obrigatoriedade da rastreabilidade em todos os elos da cadeia produtiva, estabelecendo que todas as frutas e hortaliças deverão fornecer informações padronizadas capazes de identificar o produtor ou responsável no próprio produto ou em envoltórios, caixas e outras embalagens.
 
Segundo o secretário Rodrigo Antônio Barros Vieira da Silva, o Rodrigo Beleza, “a Instrução está em vigor desde 2018 e prevê que, praticamente, todos os produtos de origem vegetal, como melão, coco, mamão, banana, manga, cenoura, batata-doce, beterraba, couve, agrião, almeirão, couve-flor, pimentão, abóbora e abobrinha, entre outros, estejam rastreados, para garantir a qualidade do produto e segurança alimentar”.
 
A normativa prevê que o produtor rural destas culturas deve anotar em um caderno de campo todas as operações agrícolas realizadas. Dentre as prioridades às quais o produtor deve ficar atento, estão a intensificação das boas práticas agrícolas, principalmente no uso de defensivos; e, realizar a venda dos produtos somente com nota fiscal ou outro documento válido, corretamente preenchido, sem rasuras e com a identificação dos produtos e do comprador.
 
“Em São Paulo, sabemos que a CATI já capacitou os técnicos de todas as Regionais com o objetivo de formar multiplicadores para atuarem de forma regional e local, orientando produtores sobre a rastreabilidade, sendo que qualquer dúvida poderá ser sanada na Casa da Agricultura”, acrescentou o secretário.
 
Para mais informações, os proprietários rurais interessados podem fazer o download da Cartilha Prática sobre Rastreabilidade e Rotulagem, disponível em arquivo PDF no endereço eletrônico: https://www.cati.sp.gov.br/portal/themes/unify/arquivos/produtos-e-servicos/acervo-tecnico/CartilhaRastreabilidadeeRotulagem.pdf ou diretamente na Casa da Agricultura, na rua Itacolomi, nº 3096, fone (17) 3421-3188.
Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia