Digite mais de 2 letras para pesquisar.
Turista
Tamanho do Texto
A-
A+

Atrativos Turísticos - Históricos e Culturais 


Museu Municipal “Edward Coruripe Costa”

O Museu Histórico, Geográfico e Artístico de Votuporanga, foi criado pela Lei de nº 2.694 conforme Lei Orgânica do Município de 5 de abril de 1.990, Artigo 157, Seção II, Artigo IV, parágrafo 3ª. E o nome de Edward Coruripe Costa foi instituído na Lei nº 2.706 de 1994. Em 16 de agosto de 1996 na gestão do prefeito Pedro Stefanelli Filho sendo vice-prefeito Dr. Joaquim Figueira da Costa. E presidente da Câmara, Vanderley Martins Fernandes. O Museu Municipal Edward Coruripe Costa, está instalado no moderno Centro de Informações Culturais e Turística, junto à Secretária da Cultura e do Turismo. O mesmo funciona ao público de terças às sextas das 9h30min às 19hs e de sábados e domingos das 15hs às 21hs, fechando às segundas e feriados. O local disponibiliza espaços com exposição de quadro de artistas Votuporanguenses, história e fotos antigas da cidade, máquinas utilizadas na década de 40 à 60, trabalhos do artista plástico votuporanguense Deco D’Antônio, mesa Multitouch e painel videowall com quebra-cabeças para maior interação com o acervo.

Endereço: Av. Francisco Ramalho de Mendonça, 3112, Jd. Alvorada / Parque da Cultura  

Telefone: (17) 3405-9670

E-mail: cultura@votuporanga.sp.gov.br

(Museu Rapassi)


Antigo Prédio da Câmara Municipal / Cartório Eleitoral

O imóvel construído em arquitetura singular, ou especificamente art deco, muito predominante nos anos 1930 – 40 é um exemplar arquitetônico único deste estilo na cidade. Além de ter sido uma importante casa de legislatura. Com localização privilegiada na área central de grande fluxo de pessoas durante todos os dias, o imóvel conserva boa parte de sua estrutura original como escadaria, hall de entrada, salão nobre e fachada frontal. O prédio está sendo planejado para abrigar o novo Museu Histórico da cidade.
Endereço: Rua São Paulo, 885


Biblioteca Municipal “Castro Alves”

(Antes/Hoje)

Atualmente localizada nas dependências do Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali”, um moderno espaço que oferece, além de atividades de leitura, programação variada para toda população da cidade e região. 
Contando com uma média total de usuários inscritos de 600 pessoas, a biblioteca possui um acervo à disposição de livros de história, romances, autoajuda, poesia, filosofia, psicologia, audiolivros, livros em Braile, livros falados, kit de tecnologia assistiva (composto por computador, ampliador automático, scanner, leitor de mês, teclado ampliado, mouse estacionário e software de voz sintetizada para operação com leitor de tela NVDA-Non Visual Desktop Access), livros infantis e livros infanto-juvenis. Conta com Sala de Leitura, Brinquedoteca, Ludoteca e varanda cultural, acesso a computadores com internet e hotspot. 
Endereço: Av. Francisco Ramalho de Mendonça, 3112, Jd. Alvorada / Parque da Cultura  
Telefone: (17) 3405-9670
E-mail: biblioteca@votuporanga.sp.gov.br


Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali” 

Com uma estrutura moderna o Centro de Informações Culturais e Turísticas está localizado no Parque da Cultura no complexo do Centro de Lazer do Trabalhador “Oscar Bottura”. O espaço contempla local que abriga a biblioteca, cinema cultural, área de shows e oficinas de artesanato, dança, pintura e diversas mostras, além de área administrativa da Secretaria da Cultura e Turismo. 
Endereço: Av. Francisco Ramalho de Mendonça, 3112, Jd. Alvorada / Parque da Cultura  
Telefone: (17) 3405-9670
E-mail: cultura@votuporanga.sp.gov.br 


Centenária Estrada Boiadeira do Taboado

A Estrada Boiadeira do Taboado é o grande marco referencial para o povoamento e desenvolvimento do interior do Estado de São Paulo mais precisamente da 8º Região Administrativa de São José do Rio Preto. Seu traçado original idealizado no final do século XIX influenciou diretamente o surgimento de 22 cidades paulistas e 2 do Mato Grosso do Sul. Abrindo a portas no então Sertão de Rio Preto, ou também reconhecido pela Sociedade Promotora de Imigração Paulista como “Terrenos Despovoados”. O cenário é o retrato dos vestígios históricos e culturais que ainda resistem ao tempo e são encontrados ao longo do centenário corredor boiadeiro como vilarejos, vendas rurais, capelas, devoções, tradições, cemitérios, personagens e a bela e natural fauna e flora remanescente do serrado paulista. Projeto de Tombamento e inclui no Programa Estadual de Registro da Cultura Imaterial do Estado de São Paulo. Há um projeto tramitando na UPPH para reconhecimento da estrada como patrimônio cultural paulista pela sua importância histórica e cultural.
Endereço: A 7 km de Votuporanga pela Rodovia Péricles Belini, tendo como ponto de partida a Vila Carvalho.


Estação Ferroviária – Complexo Ferroviário

O conjunto arquitetônico que integra a colônia ferroviária, a estação de embarque, os armazéns datados de 1945 – 48, conserva o estilo singular da época que com tijolos aparentes seguia um padrão adotado pela então responsável Estrada Férrea Araraquarense. Hoje o local é muito visitado principalmente para produção fotográfica. Aproximadamente no ano de 1945 a ferrovia chega a Votuporanga profetizando o progresso por todos esperado. Por muitos anos serviu como meio de transporte de passageiros e veículo atuante no escoamento da produção agrícola de algodão, café e milho. Quem se aventurar pelo local poderá conferir a grande colônia dos ferroviários, a caixa d´agua com a inscrição “E.F.A 1945” e os antigos  armazéns da extinta IBC-(Instituto Brasileiro de Café), sendo que 9,5 mil m² de galpão que armazenavam o café produzido na região.
A moderna Avenida Prestes Maia, que liga o complexo ao centro da cidade, possui uma bela composição de flamboyants e ipês nas cores roxa e rosa que nos meses de maio e junho provocam um espetáculo natural de encher os olhos.
Endereço: Rua Thomaz Paes da Cunha Filho, 1561-1597 – Jardim Votuporanga


Catedral Igreja Matriz Nossa Senhora Aparecida

A Igreja construída na década de 1950 em estilo neogótico clássico impressiona a todos com suas arquivoltas, vitrais e afrescos no teto. Um dos passeios que podem ser feitos com agendamento prévio é a visitação ao mirante que fica no meio das duas torres frontais. A escadaria que leva até este belíssimo local revela ao visitante o interior dessa importante construção, passando pela máquina do relógio. A subida termina com uma vista magnífica da área central da cidade das brisas suaves e até onde a vista alcança.
Endereço: Rua São Paulo, 3577



Marco Zero e Obelisco - Reconhecimento aos Pioneiros

Obelisco homenageia os pioneiros que chegaram a Votuporanga entre a fundação e a transformação para Município e Comarca. É uma referência ao marco zero da fundação no ano de 1937. O projeto original, que ficou guardado por anos no Museu Público Municipal, é do pintor Renzo Fogaro, formado pela Academia de Belas Artes de Veneza idealizado nos anos 60. O ex-prefeito Nasser Marão Filho decidiu resgatar o projeto com algumas alterações e aproveitou a ocasião para homenagear os fundadores do município. Os nomes de todos os pioneiros foram gravados na placa em homenagem aos que acreditaram na força econômica da cidade
Considera como pioneiros todos aqueles que fizeram parte da história da cidade no período de 1937 a 1945, quando Votuporanga foi elevada de Patrimônio à categoria de Município e Comarca. Foram levantados 345 nomes, grafados nas faces de mármore e granito com iluminação direcionada. O obelisco compõe o cenário paisagístico da Praça da Matriz “Dr. Fernando Costa” provocando grande clima de nostalgia.
Endereço: Praça da Matriz “Dr. Fernando Costa”


Fonte Luminosa Praça da Matriz “Dr. Fernando Costa”

Localizada na área central da Praça da Matriz “Dr. Fernando Costa” foram instalados 184 jatos de água que farão inúmeras combinações com alcance de aproximadamente 2 metros de altura. A fonte funciona todos os dias das 19 às 22 horas e conta com repertório musical instrumental que podendo ser alterada conforme a ocasião. 
Endereço: Praça da Matriz “Dr. Fernando Costa” 


Fonte Luminosa Praça São Bento

Três irmãos espanhóis vindos de Tanabi para Votuporanga em 1939 foram José Marin Cruz, Francisco Marin Cruz e Antônio Marin que adquiriram diretamente da firma vendedora de terras, Theodor Wille, uma gleba de cerca de cem alqueires, pegando toda região sudeste da cidade. Ali surgiu a maior vila da cidade a “Vila Marin”. 
Doaram a prefeitura o quarteirão onde está o jardim público, com fonte luminosa, sanitários, as grandes e exóticas árvores da Amazônia (abricó-de-macaco – “Couroupita guianensis”) que dão flores e frutos nos troncos, o relógio elevado doado pela colônia japonesa e o rústico cruzeiro de madeira lavrada. Esse chamado jardim da Vila Marin ou Praça São Bento.
Endereço: Praça São Bento


 Monumento Tori

A praça São Bento foi o local escolhido pela colônia japonesa do município para a receber o monumento Tori, construído pela Prefeitura do Município, vindo a se tornar um dos cartões postais da cidade. 
O símbolo japonês é um dos mais famosos pelo mundo e está presente em todos os templos japoneses. Segundo a crença japonesa, acreditam que ao passar pelo Tori, a pessoa estará entrando num ambiente sagrado, onde todos ao adentrar, estão felizes, pois estarão juntos à natureza e ao mesmo tempo sendo imunizados em relação aos maus espíritos. Em Votuporanga, foi inaugurado em 18 de junho de 2008, em comemoração ao Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Atualmente, o Brasil é o país com maior número de japoneses fora do Japão. Integrados à cultura brasileira, contribuíram com o crescimento econômico e desenvolvimento cultural de nosso país. Trouxeram, junto com a vontade de trabalhar, sua arte, costumes, língua, crenças e conhecimentos que contribuíram muito para o nosso país. Além disso, implantaram novas técnicas nos campos brasileiros, trouxeram as suas comidas típicas, a sua religião e contribuíram de forma expressiva para a formação da mistura que é o povo brasileiro.
Endereço: Praça São Bento


Obelisco da Revolução Constitucionalista de 1932

A Revolução Constitucionalista de 1932 foi uma revolta ocorrida no estado de São Paulo contra o governo de Getúlio Vargas. As elites paulistas buscavam reconquistar o comando político que haviam perdido com a Revolução de 1930, pediam a convocação de eleições e a promulgação de uma Constituição.
O dia da Revolução Constitucionalista é celebrado em 9 de julho e é feriado no estado de São Paulo.
O Obelisco Praça Nove de Julho entroniza 3 combatentes do município: Affonso Sardemberg Van Haute, Alberto Teixeira Soares e João Carlos Botelho de Miranda.
O Obelisco está localizado na Avenida 9 de Julho - Praça Nozomu Abê, bairro Cecap II


Nova Rua Amazonas

Um projeto inteiramente baseado no Manual de Acessibilidade de forma a atender todos os tipos de pessoas e voltado para as necessidades da população que frequenta o comércio de Votuporanga. Assim foi desenvolvida toda a obra de revitalização da “Nova Rua Amazonas”, que traz um novo conceito de centro comercial para a cidade e região. 
A intenção da obra foi melhorar o tráfego de pessoas pela rua, proporcionando mais mobilidade e conforto para quem estiver fazendo suas compras. Sendo assim, os pedestres têm à disposição diversos bancos e lixeiras por todo o trecho revitalizado, além de rampas de acessibilidade com corrimãos para pessoas portadoras de necessidades especiais e placas de orientação sobre as lojas existentes em cada quarteirão.
Além do planejamento feito para melhorar todos esses aspectos o projeto também trabalhou a parte estética e paisagística com cuidados especiais, como, por exemplo, o plantio das Washingtonias Filiferas (“palmeiras de saia”) ao longo do trecho e as floreiras.
A iluminação com fiação subterrânea proporcionou ainda mais elegância à Nova Rua Amazonas. O sistema é inédito na região e o primeiro desenvolvido pela Elektro no Estado. A implantação de semáforos com contagem regressiva facilita o trânsito dos veículos, oferecendo mais segurança aos pedestres, e o asfalto com a sinalização de solo deu o toque final à obra. A sinalização de direção das ruas e a orientação com os nomes das vias que cruzam com a Amazonas, também estão dispostas de forma mais visíveis nos semáforos, seguindo o padrão utilizado na Avenida Paulista.


Ruínas do Cemitério Boiadeiro - Vila Carvalho 

Ao longo do tempo permanecem vivas várias lendas indiciando Vila Carvalho como um lugar de passado intenso e violento. Era frequentado por índios, peões e soldados portando armas. Por ali pernoitavam, geralmente com música, comida e consumindo bebidas alcoólicas que por vezes resultavam em desavenças e muitas delas seguidas por morte, sendo os corpos sepultados no cemitério do povoado. 
No cemitério localizado às margens da Estrada Boiadeira do Taboado, desativado em 1937 e hoje em ruínas, alguns jazigos resistem ao tempo, dentre eles o de Hassen Hajar Suleiman, naturalizado como Felício José de Carvalho, fundador da Vila Carvalho.
O coronel Felício José de Carvalho foi assassinado em 1929 por Ramão Céspedes Ramos, popularmente conhecido como Paraguaio. Segundo seu filho, Abdo Carin Carvalho, um homem chamado Baliano fora quem contratara o pistoleiro para matá-lo, pagando-lhe 12 mil réis, grande quantia na época, isto porque seu pai tinha conseguido a instalação de um distrito policial no local.
Endereço: Estrada Boiadeira do Taboado – Bairro Vila Carvalho. 


Antiga Algodoeira Matarazzo

Ainda resiste ao tempo as edificações onde funcionou uma usina de beneficiamento de algodão pertencente a um dos cerca de 350 empreendimentos da I.R.F.M. (Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo) – por algum tempo, o maior complexo industrial da América Latina – tendo como acionista majoritário do grupo, o imigrante italiano Francesco Antônio Maria Matarazzo – também conhecido como Conde Francisco Matarazzo – um visionário que contribuiu significativamente no processo de industrialização no Brasil. De mascate a empresário no seu auge, foi considerado o homem mais rico do país e o italiano mais rico do mundo, tendo uma fortuna estimada em 20 bilhões de dólares americanos, a quinta maior do planeta. 
O título de Conde foi-lhe concedido pelo rei da Itália, Vítor Emanuel III, após ter enviado mantimentos, durante a Primeira Guerra Mundial, aquele país. Tinha admiração por Benito Mussolini, a ponto de contribuir com o fascismo financeiramente, e era um sujeito popular entre os italianos que viviam no Brasil.
O prédio da usina possui arquitetura imponente, da década de 40, construído em tijolo aparente, Trata-se de galpões de planta retangular, com linhas retilíneas,  sóbrio  e  austero assemelhando-se à arquitetura ao estilo neoclássico. O maquinário original que funcionava a combustível, ao longo dos anos, foi sendo substituído por outros de tecnologia mais avançada. 
Hoje o local não pertence mais ao Conde, mas os vestígios de seu império permaneceram por toda parte. Em Votuporanga, recebeu homenagem póstuma com denominação de avenida e o bairro “Matarazzo”, ambos nas adjacências da antiga algodoeira. Hoje, abriga uma das unidades do Ecotudo.
Endereço: Avenida Conde Francisco Matarazzo, 1793


Vila Carvalho

O local era referência como ponto de parada no trajeto de ida e volta, por boiadeiros que traziam gado do estado do Mato Grosso, Minas Gerais e Goiás para Barretos-SP, e ainda, de soldados brasileiros que iam para a batalha durante a Guerra do Paraguai. Vila Carvalho está localizada às margens da centenária Estrada Boiadeira do Taboado, próxima ao cruzamento com a rodovia Péricles Belini, à 7 km de Votuporanga, no sentido Araçatuba-SP. Na década de 20, o Coronel Felício José de Carvalho comprou 700 alqueires de terras naquele sertão, dando origem ao povoado que posteriormente foi chamado de Vila Carvalho. Pouco tempo depois, instala-se no local uma pousada e alguns estabelecimentos comerciais, popularmente conhecidos como “vendas”.
No local existe um cruzeiro lavrado em aroeira, datado do ano de 1925, e logo de frente, a capela de São João Batista, padroeiro do lugar, sendo a edificação mais antiga e que preserva características originais. Zelada pelos moradores, ao longo do tempo, foram trocados: piso, algumas janelas e o forro; conservando a fachada original, onde se destaca o campanário. Periodicamente são celebradas missas e realizadas festas, quermesses, almoços, etc., em prol daquela paróquia.
Em 1929 o Coronel foi assassinado, seus filhos se mudaram e as terras foram ocupadas por posseiros, porém, ainda em vida, havia doado parte das terras ao Bispado de Rio Claro, sendo que este nunca tomara conhecimento da doação, cabendo, aos que nelas habitavam, pagar uma taxa à diocese pelo uso. Naquela época, era comum, grandes latifundiários doarem pequenas porções de terras à diocese, possibilitando a construção de uma capela e sua manutenção.
No entanto, os moradores nunca pagaram, e nem a diocese cobrou a dívida, criando-se uma situação, com o passar dos anos, a qual a diocese não tinha mais posse sobre a terra, impossibilitando regularizar a concessão das escrituras aos habitantes que ali residiam, tendo, somente em 2016, depois de alguns anos em juízo, transferida definitivamente a posse delas, de início, à parte dos moradores.
Endereço: Estrada Boiadeira do Taboado - Bairro Vila Carvalho. 


Estância Campo Novo - (Antiga Fazenda Fávaro)  

Localizada na Vicinal Adriano Pedro Assi, a “Estrada do 27” pertenceu a Antônio Fávaro patriarca da família que veio da Itália em 1890 com apenas 4 anos, indo residir em Santa Cruz da Palmeira. Após constituir família veio para Tanabi e em 1937 comprou terras em Votuporanga. Aqui, com os filhos Hermínio Roque Fávaro e Orélio Fávaro, iniciou o plantio de cereais e café para consumo próprio. Logo depois, começou a produzir café em grande escala. Hoje os descendentes Dionísio e Teodomiro dão continuidade a agricultura e investem no setor turístico e de locação para festas. A histórica fazenda de café ainda apresenta a colônia dos trabalhadores, a capela, a estrada de pedra, os terreirões de café, a imponente sede da fazenda com porão na parte frontal, revestido com ladrilho hidráulico.
Endereço: Vicinal Adriano Pedro Assi   |   (017) 99715-3004 / 99118-3002


Bairro Cruzeiro

O Bairro Cruzeiro também é um histórico ponto de parada dos boiadeiros e neste cruzamento existiu uma gigantesca e frondosa árvore de figueira usada como ponto de parada pelos boiadeiros. Em uma dessas viagens junto aos boiadeiros seguia um personagem de nome José Maria. Uns dizem que era um padre, outros um viajante. Diante de tanta seca e vendo o sofrimento das pessoas que moravam no entorno, José Maria disse para os moradores que no último dia de sua pernoite após a chama da fogueira se apagar: - “Lavrem um cruzeiro de aroeira e venham ainda no início da manhã em procissão com latas d´água e suas rezas de devoção e finquem o madeiro bem no local da fogueira. Sempre que faltar chuva repitam esse ritual com muita fé que seus pedidos serão atendidos”.  E aconteceu, não sabe se foi milagre, ou se o homem era mesmo um Santo. 

O que os moradores relatam é que caiu uma chuva forte, salvando assim a colheita e as pastagens. Consideram-se então o local sagrado, as pessoas começaram a se mudar para próximo do cruzeiro. Vendas foram se instalando para abastecer os boiadeiros, máquinas de beneficiar café e algodão. Hoje a currutela continua com suas características originais, as vendas, a capela, e as casas de alvenaria.

Endereço: Estrada Boiadeira do Taboado



Casa Vila Nirvana

Um dos funcionários da Cia. Theodore Wille, empresa responsável pelo retalhamento das terras de Votuporanga, foi o saudoso Germano Robach. Agrimensor, natural da Alemanha certamente teve significativa participação no processo de urbanização e crescimento da cidade. Seus familiares são todos do seu país de origem, não tendo mais nenhuma relação com o Brasil. Logo depois da sua morte, os herdeiros venderam as terras ao Sr. Amos Ferrari em 1980 correspondendo a 21,47 hectares. A importância de se falar especificamente em Germano Robach está no fato de que de todos os membros da Cia. Alemã, o único vestígio destes imigrantes estrangeiros em Votuporanga é o casarão construído pelo mesmo que leva o nome de Vila Nirvana, uma inscrição em relevo na parte frontal da casa, construída com os tijolos de alvenaria de sua própria olaria. Confirma-se este fato ao notar que embaixo dos tijolos se encontra as iniciais GR, ou seja, Germano Robach. O casarão imponente construído na década de 50 impressiona ainda pela porta central feita de ferro fundido todo trabalhado. Atualmente a casa histórica encontra-se em estudo para o tombamento pelo Comdephaact (Conselho Municipal de Defesa de Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico, Cultural, Turístico e Natural) de Votuporanga.
Endereço: Avenida República do Líbano



Cruzeiro da Prata

Seguindo a Boiadeira sentido Cosmorama, ao atravessar a estrada 27, passando a fazenda Torres, chega-se ao cemitério boiadeiro do Córrego da Prata. O enorme cruzeiro de aroeira ao centro de um cercado mostra que ali também é um local que foi dedicado ao enterro das pessoas. O cemitério fica bem próximo da estrada cercado de lascas de aroeira, para impedir que as onças e tatus cavassem e comessem os restos mortais dos que ali estavam sepultados. As lendas sobre o cemitério são muitas e a mais interessante é a da bola de fogo que sai em noite de lua cheia para percorrer a estrada dos boiadeiros.
Endereço: Estrada Boiadeira do Taboado


Vespa-Hotel

Localizado na rua Amazonas esquina com a rua Ceará no ano de 1957, Vespa-Hotel foi o primeiro edifício de dois andares no município e o primeiro hotel da cidade.


Edifício Comercial Julieta

Inaugurado dia 8 de agosto de 1982, por Mário Pozzobon, deu a largada a era da construção vertical em Votuporanga. O edifício fica localizado na Rua São Paulo, 3320


*PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURA DE VALOR IMATERIAL: 

Corporação Musical “Zequinha de Abreu”

A Corporação Musical “Zequinha de Abreu” foi fundada em 31 de dezembro de 1974, conforme Lei nº 1435, pelo ex-prefeito Luiz Garcia De Haro que juntamente com o ex-vereador da época Agnaldo de Oliveira sugeriu o nome de Zequinha de Abreu em homenagem ao grande compositor brasileiro, conforme Decreto lei nº 1.170 de 23 de setembro de 1.977. 

Conforme matéria publicada no Jornal A Cidade de 24 de setembro de 2006, no ano de 1943 quando Votuporanga tinha apenas 6 anos de fundação já existia uma banda que animava bailes e eventos comemorativos da cidade, chamada de A Patativa do Oeste e em 1950 surgiu desse grupo, Ditinho e sua Orquestra que mais tarde veio a se chamar Orquestra Guarani.

As várias formações da banda de Votuporanga acompanharam o desenvolvimento da cidade das “Brisas Suaves” testemunhando o progresso e grandes acontecimentos que marcaram a história do município sendo de grande valor sociocultural. Nesta formação todos os músicos eram voluntários e ninguém era remunerado. A banda era chamada de “furiosa” porque tinha poucos instrumentos, mais tocados com muita vontade. O nome “Carlos Gomes” permaneceu até a gestão do prefeito Luiz Garcia De Haro, onde o vereador Aguinaldo de Oliveira sugere o nome Zequinha de Abreu. O Senhor Leonel ainda diz que os músicos eram autodidatas e aprendiam na raça.

A mesma continua se apresentando em eventos comemorativos da cidade e região onde for solicitada. Através da banda a música se propaga em todos os cantos da cidade, bairros e distritos permitindo a todos o acesso à cultura musical.

Atualmente a corporação é tombada como patrimônio histórico de valor imaterial do município. Valorizando assim, toda sua trajetória histórica, garantindo a sua existência para a posteridade. Além disso, Votuporanga se destaca como primeira cidade da 8º Região Administrativa de São José do Rio Preto/SP a valorizar sua banda municipal através de um ato de tombamento imaterial.


Zequinha de Abreu - José Gomes de Abreu

José Gomes de Abreu, mais conhecido como Zequinha de Abreu nasceu na cidade Santa Rita do Passa Quatro, 19 de setembro de 1880. Zequinha de Abreu era o mais velho dos oito filhos do boticário José Alacrino Ramiro de Abreu e Justina Gomes Leitão. Sua mãe ansiava que ele seguisse a carreira de padre e o pai, que se formasse em medicina. Mas aos seis anos de idade, ele já mostrava que tinha vocação para a música, tirando melodias da flauta. 

Ainda durante o curso primário organizou uma banda na escola, da qual ele mesmo era o regente. Com 10 anos, já tocava requinta, flauta e clarineta na banda e ensaiava suas primeiras composições. Zequinha estudou em Santa Rita do Passa Quatro e no Colégio São Luís de Itu. Em 1894 foi para o Seminário Episcopal de São Paulo, onde aprendeu harmonia.

Aos 17 anos voltou para sua cidade natal e fundou sua própria orquestra visando apresentações em saraus, bailes, aniversários, casamentos, serestas e em cinemas, acompanhando os filmes mudos. Nessa época, fez suas primeiras composições conhecidas, como "Flor da Estrada" e "Bafo de Onça". Aos 18 anos contraiu matrimônio com Durvalina Brasil, que tinha apenas 14 anos de idade. O casal morou por alguns meses no Distrito de Santa Cruz da Estrela, atual Jacerandi, próximo a Santa Rita. Cuidavam de uma farmácia e de uma classe de ensino primário. De volta à Santa Rita, Zequinha coordenou o trabalho da orquestra com os cargos de secretário da Câmara Municipal e de escrevente da Coletoria Estadual.

Principais composições: Tico-Tico no Fubá (Choro), Branca (Valsa), Tardes de Lindóia (Valsa) e Amando sobre o Mar (Valsa).



*PERSONALIDADES DE VOTUPORANGA: 

Deco D’Antônio

Emannuel Tadeu Camargo D'Antonio, mais conhecido como Deco D'Antonio, nasceu na cidade de Valparaíso, interior de São Paulo. Lá viveu até os dois anos de idade e mudou-se para Araçatuba, permanecendo até os quatro. Migrou-se para Votuporanga e ficou até os dezenove anos. Deco tinha uma oficina com seu sócio na capital paulista, lá construíam cenários teatrais, decorações de festas. Emmanuel foi ator e diretor de peças teatrais.  

Em suas obras de arte produzidas, é nítida sua preocupação em usar materiais recicláveis, tais como madeira, papéis, garrafas pet entre outros. Um dos trabalhos mais apreciados são os bonecos de celebridades nacionais e internacionais feitos em porcelana fria, podendo citar Tancredo Neves, Os Trapalhões, Carmem Miranda, Elvis Presley, John Lenon, Marylin Monroe, O Drácula, Bobo da Corte, etc. 

Suas obras podem ser vistas no Museu Municipal “Edward Coruripe Costa”, localizado no Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali” na Av. Francisco de Ramalho de Mendonça, 3112.


João Cornachione (Oscarito)

Natural de Guapiaçu, no dia 20 de novembro de 1940, nasceu João Cornachione, mas sua semelhança com um comediante brasileiro, parceiro de Grande Otelo nas comédias e chanchadas da Atlântida, tornou-se desde então, o Oscarito. No final da década de 60, veio para Votuporanga, estreando nos microfones da extinta Rádio Piratininga.  Participou da fundação da Rádio Jornal de Nhandeara, e depois voltou a Votuporanga, onde se tornou absoluto campeão de audiência por várias décadas, nos microfones da Rádio Clube, emissora de AM do Sistema Vanguarda de Comunicação, capitaneado pelo jornalista Nelson Camargo.


Edward Coruripe Costa

O nordestino Edward Coruripe Costa, mais conhecido com Costinha, mudou-se para capital paulista a trabalho na indústria Sambra (Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro). Tempos depois veio para Votuporanga graças a filial da sociedade no município.

Edward participou de grandes realizações, sendo o chefe do gabinete de prefeitos por anos e acompanhando a gestão de diversos administradores. Por motivos políticos, foi colocado à disposição e passou a ocupar o cargo de secretário-geral da faculdade fundada na cidade. Durante sua passagem pela faculdade, ajudou a abrir novos cursos para formar profissionais. Além de ser funcionário público, foi goleiro do time de futebol de Votuporanga, Cantor das orquestras de baile, fez contabilidade, escreveu dois livros sobre a cidade e foi comentarista esportivo da rádio Piratininga de Votuporanga.

O Museu Municipal de Votuporanga leva seu nome “Edward Coruripe Costa”



*10 ATRATIVOS TURÍSTICOS - NATURAIS, HISTÓRICOS E CULTURAIS REGIONAIS:

01. Cachoeira de São Roberto e Parque de Lazer de Pontes Gestal

Pontes Gestal, município pertencente ao Circuito dos Lagos, aproximadamente a 50 km de Votuporanga, área banhada pelo Rio Preto e transformada em área de lazer a partir de 1.982. Neste trecho o Rio forma corredeiras que propiciam alguns esportes náuticos. Local apropriado para realização de eventos, confraternizações, shows, etc. Já sediou importantes eventos regionais, estaduais, tais como competições de caiaque e motocross. Há o Parque de Lazer, área propícia para camping e piquenique, com churrasqueira, quiosque, campo de futebol e árvores frutíferas.


02.  Parque Ecoturístico de Valentim Gentil

O Parque Ecoturístico de Valentim Gentil, município distante a 19 km de Votuporanga, possui estrutura diversificada, com cascatas, piscina com escorregador aquático, lanchonete, quiosques cobertos (dotados de pias e churrasqueiras), sanitários, pontes e até um mini zoológico. 


03. Complexo Turístico “Leandro Trindade da Silveira” de Cardoso

O Complexo Turístico “Leandro Trindade da Silveira” é uma praia artificial distante a 40 Km de Votuporanga, foi criado por inundação devido à construção da Barragem de Água Vermelha. Banhado pelos Rios Grande, Turvo e Marinheiro, o município é destino turístico, principalmente pela prainha onde há 30 quiosques com churrasqueira, energia elétrica e duchas. A área é cercada, e possui ainda completa infraestrutura e área de camping. Ótima opção para prática de esportes náuticos, pescaria e lazer com a família e os amigos.

Além da Prainha, o município de Cardoso conta com um lago na área central da cidade. A Lagoa “Hygino Zampronha” surgiu por volta da década de 1940, pela extração de barro, matéria prima para produção de tijolos na olaria que ficava às suas margens. Com o passar dos anos a Olaria foi desativada e a atividade de extração de argila impactou na formação da lagoa dentro da área urbana do município. Reúnem diariamente muitos adeptos das atividades físicas como a caminhada, corrida e ciclismo, além de ter em seu espaço uma “Academia ao Ar Livre” para uso de todos.


04. Praia e Trilha Ecológica de Mira Estrela

Mira Estrela, a 70 km de Votuporanga, possui uma praia artificial no lago da Água Vermelha, o que a faz ser conhecida na região e a torna uma das cidades mais visitadas por turistas de todos os lugares da região.

A prainha de Mira Estrela encontra-se a 11 km da cidade, percurso asfaltado e bem sinalizado. É totalmente rodeada por águas, considerado uma ilha. Pessoas capacitadas como segurança, zeladores e salva vidas garantem a tranquilidade, lazer e diversão.

Consta de 18 casas, que podem ser alugadas aos visitantes, equipadas com churrasqueiras. Além das casinhas, há a possibilidade de alugar quiosques, alguns com pias de cozinha e churrasqueiras. Conta também com lanchonete. 

Outro atrativo em potencial é a Trilha Ecológica dos Macacos, local que pode se avistar diversos animais, e principalmente diversos macacos que vivem em seu ambiente natural com a interferência do meio externo. A Trilha possui uma casa, que tem a finalidade de receber os visitantes e passar algumas informações importantes para a exploração da trilha, de acordo com as normas de segurança.


05. Cachoeira do Talhadão de Palestina

Localizada no Distrito de Duplo Céu em Palestina, aproximadamente 80 km de Votuporanga, a famosa Cachoeira do Talhadão, tem sido motivo de grande orgulho, passando a ser tornar referência como ponto turístico, inclusive em processo de tombamento como Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico, Cultural e Turístico. 


06. Bairro do Carrilho - Cosmorama
Vila Carrilho é um aglomerado rural situado a 12 quilômetros do município de Cosmorama, localizado a 23 km de Votuporanga. Possui fama por motivos históricos e culturais. Bem próximo à Vila Carrilho, em torno de 500 metros, passa a antiga Estrada Boideira que ligava Jaboticabal à Aparecida do Tabuado. A estrada foi aberta em meados do século XIX e ainda há partes dela que cortam a região.
O nome, pelo que se constata, originou-se de um erro na hora de registrar a localidade no cartório. Nas proximidades de tal vila encontraram um carrinho de bode, esse achado foi muito comentado na região o que tornou a localidade conhecida como "carrinho", porém uma confusão de pronúncia do cartorário o registro foi feito como "carrilho”.
Vila Carrilho possui uma capela. A Capela Santa Luzia, dizem que o fundador tinha problemas visuais e então foi feita uma homenagem à santa. Algumas casas e uma venda completam o cenário da localidade. 
Todo dia 3 de maio ocorre uma procissão que percorre ruas da vila e vai até ao cemitério, o qual é famoso por abrigar corpos de crianças que nasciam mortas. Muitas crianças da região foram nascidas pelas mãos de uma famosa parteira, nascida no século XIX (1867-1969) dona Arcanja, viveu seus 102 e em muitos quais atuou como exímia parteira.
Uma outra curiosidade do local foi uma sucuri que atacou um garoto da capital que estava por ali no sítio do avô passando férias. O avô do garoto conseguiu salvá-lo da serpente e o ocorrido foi notícia internacional. 


07. Museu e Sítio Arqueológico Água Vermelha de Ouroeste
O Museu Cultural e Arqueológico Água Vermelha, que fica na cidade de Ouroeste a 70 km de distância de Votuporanga. Localizado nas margens do Rio Grande, fronteira de São Paulo com Minas Gerais, o museu abriga fósseis de milhares de anos que pertenceram aos indígenas da região. O lugar visa fomentar a história da cidade e divulgar a cultura da região de Ouroeste.
Após uma inundação, pescadores encontraram, às margens do Rio Grande, grande quantidade de ossos humanos. A descoberta foi notificada à polícia e a FUNAI. A partir da identificação efetuada, recolheu o material que havia coletado, disponibilizou-o para os pesquisadores que seriam contratados e efetuou gestões com os envolvidos. O processo culminou com a ação do Ministério Público da União, que garantiu o estabelecimento de acordo entre as partes por meio da elaboração de um Termo de Ajustamento de Conduta. Desta forma foram desenvolvidas as pesquisas acadêmicas e propiciada pela empresa e compensação pela destruição dos bens arqueológicos quando da construção da usina já em operação há décadas. A construção do museu é fruto destes entendimentos e viabilizou a manutenção do acervo próximo ao local de origem, a devolução do conhecimento produzido, assim como estimulou o desenvolvimento regional e sua inclusão nas políticas culturais do país. A prefeitura elaborou sua política municipal de preservação, cedeu o terreno para a construção e criou o Museu Municipal de Arqueologia. Editou lei de proteção dos bens culturais, instituiu o Conselho Deliberativo Municipal do Patrimônio Cultural, instituiu o tombamento municipal e a proibição de destruição destes bens. 
O Centro Cultural e Arqueológico de Ouroeste foi criado em 11 de julho de 2001 pela Lei Municipal nº 224/2001, localizando-se em uma área de 500 metros quadrados. O prédio compreende uma área de 282,52 m², contendo um auditório para 45 pessoas (com 41m²), área administrativa junto com a reserva técnica (com 81,18 m²), reserva técnica (com 19,75 m²) e área de acesso coberta de 50,3 m². O acervo do Centro Cultural é composto por documentos e materiais arqueológicos pertencente ao município. Suas coleções são do período pré-coloniais líticos, cerâmicos e cemitérios, totalizando aproximadamente 12.500 peças (acondicionadas na reserva técnica), 500 estão na exposição em uma área de 90,27 m², que permite ao visitante conhecer um pouco da pré-história dos antigos habitantes das margens do Rio Grande e região. A Exposição é composta por um painel introdutório que localiza o visitante nas questões trabalhadas durante o percurso expositivo, através de painéis e elementos cenográficos das duas escavações realizadas em 1997/98 e 2001. O acervo foi analisado por arqueólogos, biólogos e bioantropólogos da USP e é cuidado em laboratório, realizando lavagem, secagem e classificação (lítico, cerâmico, fauna ou ossos humanos), posteriormente são registrados em fichas específicas e colocados em painel que retrata a riqueza arqueológica da região de Ouroeste.

08. Museu Cultural e Arqueológico Água Vermelha

Avenida dos Bandeirantes, n° 2090, Jardim Sarinha – Ouroeste/SP

(17) 3843-1481


09. Antiquário Clever Casado - Bálsamo
Um centro de compras, distante 55 km de Votuporanga, composto por 10 lojas que oferecem produtos exclusivos em cada uma de suas especialidades. As lojas que compõem o espaço são construídas em tulhas, todas oriundas do Noroeste Paulista, e estas retratam um momento histórico da economia do estado de São Paulo, o Ciclo do Café. Tudo foi feito com muito cuidado para que a originalidade delas fosse preservada, assim como sua história.
Em 1999, Clever Casado, artista apaixonado por arte, encontrou na construção de um Antiquário a proximidade frequente com este universo fascinante. O Antiquário possui o mais importante acervo de peças brasileiras e estrangeiras com produtos exclusivos, além de um charmoso bistrô. 
Av. Oswaldo Casado, 333 – Bálsamo/SP
Fone: (17) 3264-1382
Horário de funcionamento: Todos os dias das 9h às 19h.
E-mail: café@clevercasado.com.br
Site: www.clevercasado.com.br


10. Bairro dos Portugueses
A 15 km de Votuporanga, o Bairro dos Portugueses, um vilarejo que começou com 3 irmãos que vieram da Ilha da Madeira no início do século 20. Começaram a trabalhar na lavoura de café em Araraquara e depois montaram máquina de beneficiamento de grãos em Bady Bassitt. Nos anos 1940, os irmãos desistiram do café e compraram as terras onde existe até hoje o bairro dos Portugueses, nas margens da rodovia Péricles Belini, próximo à Nhandeara. O vilarejo, que atualmente abriga 15 famílias, conta com a capela Nossa Senhora de Fátima, uma obra típica, com pinturas feitas por espanhóis em 1962. A sensação é a Porcada dos Portugueses, um restaurante que seu prato típico é a carne de porco, porções como costelinha, torresmo, pururuca, linguiça, chouriço, codiguim, além de carnes bovinas e de frango. O restaurante se tornou tradição e é ponto de encontro de quem aprecia a gastronomia local.
Endereço: Bairro dos Portugueses – Rodovia Péricles Belini (SP 461)
Horário de funcionamento: quinta a sábado das 18h à 0h e aos domingos das 11h às 15h
Telefone: (17) 98118-6191

Tamanho do Texto
A-
A+
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Twitter
Facebook